Cesar Ramos

 

Logo no ano de estréia na Seletiva de Kart Petrobras, ele ficou em terceiro lugar, a dois pontos do título, atrás apenas de duas feras da competição: Guilherme de Conto, o campeão, e Gabriel Dias, o vice. Cesar Ramos, atualmente o melhor representante do forte kartismo gaúcho, pode até ter sido a sensação da decisão do prêmio em 2006, mas nem de longe foi uma surpresa. Quem acompanha sua carreira, já sabia do potencial do garoto, que neste ano quer voar um pouco mais alto e correr na Fórmula Renault Italiana. Sem se esquecer, é claro, que no fim do ano deve voltar ao kart para mais uma final da Seletiva de Kart Petrobras. Desta vez, em busca de um prêmio de R$ 100 mil. 

 

Quais são seus planos para o restante da temporada?
O meu objetivo é fazer o campeonato completo da Fórmula Renault Italiana. É uma categoria que eu considero muito forte e que lançou os nomes do Felipe Massa e do Augusto Júnior lá na Europa. Então, é uma boa opção.

 

Você fez duas corridas impecáveis na Copa Petrobras Sorriso Campeão este ano para conquistar a vaga na final da Seletiva. Já estava esperando um domínio tão grande?
Não, de jeito nenhum, eu até me surpreendi bastante. Na primeira corrida, foi um pouco mais suado, o que me deu a impressão de que a coisa seria bem apertada na prova final. Só que eu consegui manter a ponta e depois fui abrindo. Quando vi que o pessoal não estava me acompanhando, fiquei feliz, porque dali em diante era só administrar.

 

Qual foi o momento decisivo para a sua classificação na Copa Sorriso?
Eu diria que foi a largada da primeira bateria. Eu estava saindo em terceiro, com dois bons pilotos ali na frente, o Rafael Suzuki e o Gabriel Dias. Como a primeira curva no circuito invertido seria a Balança, o ideal era ficar por dentro, mas o pole, que era o Dias, acabou ficando por fora. Nisso o Suzuki colocou por dentro e eu que vinha logo atrás resolvi dar um empurrãozinho nele para passarmos juntos. Deu certo, o Dias ficou para trás e foi só partir para cima do Suzuki. Aquela largada foi fundamental para os meus objetivos.

 

Será a sua segunda participação na final da Seletiva de Kart Petrobras. Até que ponto a experiência do ano passado pode te ajudar?
A experiência será fundamental, eu não tenho dúvidas. Principalmente porque agora eu já conheço o esquema, sei como funciona a pontuação, vou lidar melhor com tudo isso. Eu acho até que fui bem no ano passado, mas faltou um pouquinho para conquistar o prêmio. Agora eu sei exatamente onde devo trabalhar para melhorar.