Entrevista do Mês – Janeiro – Giovanni Guerra – presidente da Federação de Automobilismo do Estado do Maranhão e representante da CBA no CIK FIA Karting Academy Trophy


 

 

 

O bate-papo deste mês é com Giovanni Guerra, responsável pela ida da Seletiva de Kart Petrobras para o Nordeste em 1999 e que será em 2016 o representante da Confederação Brasileira de Automobilismo  na comissão de kart da FIA.


- Você é reconhecido como um dos maiores apoiadores do kartismo no Norte e Nordeste do país. Como você vê a evolução do esporte nestas regiões e quais são os maiores desafios para o crescimento da modalidade?

Em primeiro lugar devo ressaltar que este reconhecimento a minha pessoa se deve a Deus no Céu e aos tantos apoios e colaboradores. Trabalhando junto temos apoiado os novos pilotos na região Nordeste e fomentando  o crescimento que já existia. Devo ressaltar entre tantos incentivos o  votos de confiança de Nelson Piquet em 1994, quando realizamos nossa primeira grande Prova da Amizade; dos irmãos Binho  e Paulo Carcasci em 1999, quando inseriram Imperatriz-Maranhão no calendário da Seletiva, do então presidente da CBA Paulo Scaglione por homologar a FAEM e, finalmente, do nosso amigo Cleyton Pinteiro, presidente da CBA, que coroando o nosso trabalho nos permitiu realizar a 11ª Copa Brasil de Kart no Kartódromo de Imperatriz, o que  nos ajudou muito a expandir as fronteiras do kartismo nacional, em especial com a efetiva inclusão das regiões Norte/Nordeste. Enfim, nosso maior desafio sempre foi  "Diminuir a Distância" do Sul do País onde o kartismo é muito forte. Fazer vir até aqui os dirigentes, promotores,  amigos importantes ou pilotos de tal modo  que possam verificar in loco que também somos parte fundamental no desenvolvimento do esporte, e que esta integração é o fator preponderante para o  desenvolvimento do kartismo Regional e Nacional. 


- Nestes 17 anos da Seletiva de Kart Petrobras, você também sempre foi um grande parceiro na realização das etapas no Maranhão. Foi o primeiro dirigente a levar uma etapa do evento para o Nordeste do país. Qual a importância da Seletiva para o kartismo da região? O quanto agrega ter uma etapa no estado?

Que bom poder responder esta pergunta, porque como disse antes sou grato a cada uma das pessoas que contribuíram conosco, porém o Binho e o Paulo foram  muito especiais,  pois perceberam o que estávamos fazendo e também se dispuseram a contribuir. Foi o primeiro promotor/dirigente do kartismo nacional a escolher o Maranhão/Imperatriz para ser sede de uma das Seletivas de Kart Petrobras, acreditar no nosso trabalho foi o sucesso. Os resultados foram tão grande que até hoje, Graças a Deus, o Maranhão nunca deixou de estar presente no calendário da Seletiva. Esperamos continuar com esta parceria profícua e transparente por muitos anos vindouros 


- Nos últimos anos, a Seletiva passou a premiar seus vencedores não só com dinheiro, mas também um programa de orientação. Qual a sua opinião sobre o projeto e como ele pode ajudar na formação de jovens pilotos?

Esta evolução foi fantástica, depois que comecei a conhecer o outro lado do Atlântico em função do automobilismo,  pude perceber o quão profissional é esta carreira. Hoje não basta o piloto ser rápido, ter um bom equipamento, etc, para ser um vencedor e se destacar no automobilismo, como profissional das pistas. O piloto tem que trabalhar e desenvolver o psicológico, o nutricional, o físico, o mental  e como sou muito católico acrescentaria até o espiritual,  de modo a se tornar um piloto de fato vencedor e consistente.

O Binho sabe muito bem disto e, no momento oportuno, ofereceu esta oportunidade aos selecionados do Brasil. Acredito que, como eu, muitos ainda não conheciam este trabalho.  Quem participa ou conhece sabe dar o devido valor. Particularmente, como dirigente, o parabenizo e agradeço o que de fato tem feito pelos nossos kartistas/ pilotos. Acredito que logo, logo virão mais oportunidades!!!


- Nos últimos anos, você acompanhou alguns pilotos daqui em campeonatos de kart na Europa. Quais são as dificuldades que um brasileiro encontra nestas participações?

Interessante nossa evolução nas perguntas e nas respostas (risos). Aqui, mais uma vez, agradeço a Deus no Céu e ao Nelson Piquet pois foi ele quem literalmente me apresentou o automobilismo mundial, foi a partir desta oportunidade que conheci pessoas, fiz amizades, mas principalmente pude vivenciar de perto todas as dificuldades que nossos pilotos encontram quando chegam nas competições Internacionais.

Minha primeira experiência internacional se deu no Troféu Academia CIK -FIA, logo percebi a necessidade de oferecer aos nossos pilotos melhores condições ou no mínimo igualdade. Nossos pilotos não conheciam as pistas, não conheciam os chassis, os motores e nem os pneus, somando aí o mínimo tempo para treino e adaptações. Se não bastasse, ainda contávamos somente com um piloto, enquanto alguns outros países contavam com até três pilotos, um verdadeiro time.

Nesta ocasião vivenciei um dos mais marcantes momentos entre pai tricampeão e filho kartista em sua primeira prova Internacional. Esta história é interessante, pois o Pedro (Piquet) esteve por desistir da competição na Bélgica, em função de todos estes motivos somados e foi um momento tenso, porém apoiado pelo pai, com as seguintes frases, foi adiante: “Meu filho, se você quiser seguir nesta carreira profissional, esta situação vai acontecer novamente e você terá que supera-la, porém como são três etapas, se você decidir ir avante, te prometo oferecer as mesmas condições dos outros competidores.” Acreditem, o Pedro decidiu ir avante, terminamos a primeira etapa em 16º, porém vencemos as duas etapas da Itália e foi fantástico para todos, mas principalmente pra ele. 

Hoje o Brasil, através do nosso trabalho, possui duas vagas no Academy e a CIK oferece um dia a mais de treinos.


- Como será seu trabalho frente à FIA a partir deste ano? Quais os objetivos e como isso deve fortalecer os kartistas brasileiros no exterior?

Procurarei o mais rápido possível me adaptar a nova missão, porém meu objetivo sempre foi proporcionar aos nossos pilotos conhecerem no Brasil o que acontece no mundo. Proporcionar, indistintamente da categoria, oportunidades de crescimento com maior qualidade e menor custo possível . Continuarei trabalhando bastante para viabilizar no Brasil uma competição CIK FIA, gostaria que fosse o Academy Trophy South America. 

Nosso presidente Cleyton, hoje vice-presidente da Codasul, acaba de nos informar que viabilizou em recente  evento no Panamá nosso primeiro evento CIK FIA no Nordeste. O prêmio NACAM CODASUR FIA DE LAS AMÉRICAS DE KARTING acontecerá no Kartódromo de João Pessoa, incluso na programação do Campeonato Brasileiro. Esta é em primeira mão!!!


- Você é dentista de formação e tem uma clínica odontológica em Imperatriz. Então, como surgiu a paixão pelo kart?

Sou de Anápolis, Goiás, e durante minha infância, 8,9, 10 anos de idade, nos descíamos uma ladeira próxima de casa em "carrinhos de rolamentos", era uma competição acirrada e muito perigosa. Foi aí que tudo começou, influenciado pelo meu vizinho Wilmar Cavalcante o inesquecível "Goiaba", que eu via participando  de provas em Brasília, Goiânia  e Anápolis com um Fusca, estar junto era fantástico. 

Em 1975, minha família se mudou para o Maranhão e eu fui estudar em Brasília, nesta época  outro amigo anapolino Joaquim Leão participava de competições de kart no estacionamento do Mané Garrincha, ao lado de Ortega Slavieiro, etc,  o Nelson e o Pupo Moreno são destes bons tempos também. Eu amava estar presente nestas competições, aí o começo da paixão pelo kartismo.   

Interessante que eu só sentei em um kart de competição anos mais tarde no Kartódromo de Anápolis e foi inesquecível. No mesmo dia, comprei um e o trouxe para Imperatriz, pois já estava radicado na cidade como dentista. Em 1987, realizamos nossa primeira prova e acredite fui eu o responsável .


- Qual o momento mais marcante do automobilismo na sua vida? Alguma corrida que assistiu ou o momento mais emocionante do esporte para você?

 O automobilismo faz parte da minha vida e começou na infância como já descrevi,  evidente que muitos momentos relembrados foram de fato marcantes e significativos,  mas o que me vem à cabeça de "Super Momento" foi em 1994 quando apresentado ao Nelson Piquet no Kartódromo de Brasília, pelo Waltinho Ferrari, convidei-o a estarem em Imperatriz para uma corrida de kart  no recém inaugurado Kartódromo  da cidade. 

Sinceramente ao escuta-lo dizer: “Tá bom, eu vou”. M lembro que de tamanha satisfação eu não pisava no chão, não via a hora de contar aos amigos, era quase inacreditável!!! Realizamos então nossa memorável  Prova da Amizade,  ocasião em que pude agradecer ao amigo Waltinho Ferrari sua intercessão, e ao próprio Nelson,  pelo voto de confiança e apoio. Foi um evento ímpar, comentado pelo Flávio Gomes na Folha de São Paulo. O Maranhão, Imperatriz e todos nós ficamos muito felizes e orgulhosos, em  especial  o Nelson para com o amigo Waltinho, que  o apoiou no início de sua carreira e veja que legal trabalham juntos até hoje!!! 

Eu,  espero poder continuar contando  com o apoio de todos e debaixo da Graça de Deus contribuir ainda mais para o crescimento do nosso kartismo e consequentemente do automobilismo.