Entrevista do Mês – Setembro – Ingo Hoffmann – Piloto e Coordenador do Mitsubishi Drive Club



O entrevistado deste mês é um dos maiores nomes da história do automobilismo brasileiro. Doze vezes campeão da Stock Car, Ingo Hoffmann é atualmente coordenador do Mitsubishi Drive Club, onde ministra os cursos Lancer Experience, Racing Experience e Premium Racing School, no moderno autódromo Velo Città, no interior de São Paulo, tanto para aqueles que buscam pilotar por prazer ou que, posteriormente, desejam disputar a Lancer Cup.


Hoffmann terá um papel muito importante no novo programa de orientação de pilotos da Seletiva de Kart Petrobras deste ano. Os quatro primeiros colocados na final passarão um dia ao lado do multicampeão, conhecendo um pouco mais sobre sua história e experiência nas pistas, além de participarem do Mitsubishi Racing Experience. Ao final do curso, os pilotos estarão aptos a requerer a carteira de piloto profissional de pista, categoria PGCB, junto à CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo).


Confira abaixo as respostas de Hoffmann ao nosso site e para saber mais sobre os cursos, acesse: www.mitsubishidriveclub.com.br


1. Você é um dos principais nomes da história do automobilismo nacional e um dos ídolos de muitas gerações que gostam do esporte. Sua história e experiência podem somar muito para estes jovens pilotos que estão hoje no kart e disputarão a final da Seletiva. Como será sua participação no projeto e o que pretende passar para os garotos?

Em princípio, devo fazer uma pequena palestra para eles, contando sobre minha trajetória e contanto alguns casos que me ajudaram muito. Depois teremos uma aula de pilotagem na pista, com o Lancer R em nosso curso Mitsubishi Racing Experience.


2. Na sua opinião, o que um programa de orientação como este pode auxiliar nas tomadas de decisões destes jovens pilotos?

Na realidade, um programa destes somente vai ajudar na tomada de decisão destes jovens, se eles realmente tiverem interesse em escutar, aprender, e se não tiverem muita interferência externa, fato que hoje em dia infelizmente é bastante comum.


3. Como você vê a base do automobilismo nacional atualmente? Quais as principais diferenças da época em que começou?

Não existe a menor chance de se fazer qualquer tipo de comparação. Infelizmente, o automobilismo de base no Brasil atualmente é praticamente inexistente. Quando eu iniciei minha carreira, em 1972, existia um automobilismo muito mais atuante, com diversas categorias distintas, absurdamente mais acessível financeiramente, possibilitando a entrada e o desenvolvimento de novos pilotos.


4. Como tem sido seu trabalho à frente do Mitsubishi Drive Club, ministrando os cursos Lancer Experience, Racing Experience e Premium Racing School? É mais fácil pilotar ou ensinar?

Meu trabalho tem sido bastante gratificante. Estou curtindo muito poder passar um pouco de minha experiência para as pessoas que queiram ter o prazer de pilotar. Na realidade, é muito mais fácil pilotar.


5. Você sente falta de competir? Gostaria de disputar provas ainda?

Não sinto a menor falta das competições. Por ter corrido por 37 anos, matei bem esta vontade. Desde que me aposentei, não participei de nenhum prova. Agora no dia 7 de Setembro, vou participei dos 500 km no Velo Città.


6. Você não chegou a competir de kart, mas já participou de torneios. Você gosta de andar de kart?

Infelizmente não consegui iniciar minha carreira no kart. Participei de um ou dois torneios nos anos 70 ainda. As poucas vezes que andei de kart, gostei muito.


7. Quais os momentos mais marcantes da sua carreira para você?

São muitos os momentos, mas se tiver que apontar alguns foram: minha estreia no automobilismo em 1972; o primeiro título que ganhei em minha carreira em 1973; a primeira vez que pilotei um F-1; o primeiro campeonato de Stock Car em 1980; minha última corrida em 2008 e a criação do Instituto Ingo Hoffmann.