John Louis: em busca do futuro

 

Campeão da Seletiva de Kart Petrobras em 2009, Jonathan Louis, ou simplesmente John, como é chamado pela maioria, natural de Curitiba, no Paraná, disputará mais uma vez a final do evento pensando no próprio futuro. Classificado desde a primeira etapa, e estreando neste ano no automobilismo, o piloto de 16 anos fala sobre a importância do esporte a motor para ele, objetivos de carreira e a importância de participar, e vencer, uma competição como a Seletiva de Kart Petrobras.

Campeão em 2009. Como foi conquistar este título?

O título em 2009 foi incrível... Uma sensação inexplicável. Primeiro, eu consegui realizar o meu sonho, que era me classificar para a final, e aí de cara já conquistei o título, foi muito bom.

 

O que você fez com o prêmio de R$ 100 mil?
O prêmio que recebi por ter vencido a final da Seletiva de Kart Petrobras foi inteiramente aplicado na minha carreira. Com ele, e a ajuda de patrocinadores, consegui fechar contrato para estrear no automobilismo.

 

Como foi a classificação para a final deste ano?
Neste ano, mesmo tendo me classificado para a final na primeira etapa, não foi nada fácil. Não estava muito bem na corrida, com o motor sorteado não ajudando, mas consegui tirar tudo que podia do kart, assumi a liderança e conquistei a vaga. Graças a Deus, no fim, deu tudo certo. Foi uma sensação muito boa estar novamente entre os 12 melhores do ano.

 

Por que disputar mais uma vez a Seletiva Petrobras?
Vou disputar mais uma vez para manter meu nome em alta, ficar entre os melhores do País. Isso ajuda qualquer piloto, por isso é muito importante.

O que você fará com os R$ 105 mil caso consiga o bicampeonato?
A minha ideia é, em 2011, continuar na categoria de base onde estou. Então, vou tentar ao máximo vencer mais uma vez, já que esta vitória e o prêmio de R$ 105 mil reais dado ao vencedor me ajudarão muito. Sem dinheiro, não posso competir de fórmula, por isso vou em busca do bicampeonato.

 

Você acha que terá alguma vantagem por já ter vencido a Seletiva uma vez?
Acho que é um ponto a mais, sim, já que eu conheço como tudo funciona, mas corrida é corrida. Não há vencedor antes da bandeirada final, então vou para a prova sem obrigação nenhuma, espero correr com tranquilidade, sem pressão, que assim sei que posso vencer novamente.

 

Dos classificados até o momento, quais são os seus principais adversários?
Acredito que o Felipe Fraga, que sempre me dá muito trabalho já que estamos sempre andando juntos. Além dele, tem uma molecada nova também, como o Victor Franzoni e o Guilherme Sallas que, sem dúvida, irão lutar pela vitória.