GUILHERME DE CONTO SUPERA OS FAVORITOS E FICA COM O PRÊMIO DA SELETIVA PETROBRAS

16/12/2005
Ficaram para trás os cinco títulos nacionais de Sérgio Jimenez, os quatro brasileiros de Clemente Faria Jr., a bagagem internacional de Rafael Suzuki e a experiência de Caio Zanani no circuito de Brasília (DF), palco da final da Seletiva de Kart Petrobras, disputada nesta quinta-feira (15). O paranaense Guilherme de Conto, de 16 anos, foi quem levou a melhor na decisão do evento. Ficou com o prêmio de R$ 70 mil oferecido ao campeão e também com o cheque de R$ 7 mil reservado para o melhor estreante. O dinheiro serve de incentivo para a carreira do piloto, ajudando com boa parte do orçamento necessário para a próxima temporada. Guilherme de Conto ainda não sabe o que fará com o total de R$ 77 mil, mas estuda duas possibilidades: continuar no Campeonato Paulista de Kart, pela Graduados A, ou estrear no automobilismo, com a Fórmula Renault ou a Stock Jr. "Ainda não sei o que farei no ano que vem. O certo é que vai ficar bem mais fácil planejar meu futuro com o prêmio nas mãos. Eu realmente não esperava vencer a Seletiva de Kart Petrobras, principalmente com tanta gente forte. Só que a possibilidade sempre existe, ainda mais quando todos os pilotos são colocados em igualdade de condições, como aqui", disse Guilherme de Conto, que viveu uma temporada difícil no Campeonato Paulista de Kart, com poucos resultados positivos. O motivo era o peso, quase 80 kg, bem acima do ideal para a prática do kartismo. Para manter o equilíbrio da disputa, a organização da Seletiva de Kart Petrobras impõe a utilização de lastros para todos os competidores, nivelando o peso. "É o que faz a diferença. Somente numa competição como esta eu poderia mostrar meu valor", concluiu. O vice-campeão foi Rafael Suzuki, seguido pelo mineiro Clemente Faria Jr. Quem alimentava boas chances era o piloto da casa, Caio Zanani, que terminou o primeiro dia de competição na liderança. As coisas começaram a complicar logo na semifinal, quando ele bateu com Sérgio Jimenez e teve que disputar a repescagem. Depois, sua maior adversária foi a chuva, que desabou sobre a pista antes das finais. "Eu andei muito aqui com chuva, mas sempre sozinho. Com os outros karts na pista, ficou difícil ver alguma coisa e acabei rodando", afirmou Caio Zanani, que deu adeus ao prêmio com uma rodada na primeira prova decisiva. Rodou também na segunda, teve que abandonar e terminou quinto na tabela. Esta foi a sétima edição da Seletiva de Kart Petrobras, que contou até mesmo com a presença de um representante da Petrobras da Argentina. "Mais uma vez o prêmio ficou com o piloto que demonstrou mais qualidades. Ele mostrou velocidade, consistência, inteligência e muita habilidade, tanto na pista seca quanto na molhada. A chuva sempre traz uma tensão muito grande, mas no fim ela acabou sendo um outro fator de exigência, que fez vencer quem mais mereceu", analisou Binho Carcasci, promotor da Seletiva de Kart Petrobras. Os dois únicos incidentes envolveram Sérgio Jimenez (na batida com Caio Zanani) e Lucas Rodrigues (no acidente com Cláudio Cantelli). Ambos foram desclassificados. "Eles perderam o ponto de freada e usaram os adversários como freio. Não julgamos a intenção de ninguém, mas a conseqüência das manobras. Foi por prejudicar os concorrentes, mesmo que involuntariamente, que os dois foram desclassificados", justificou o diretor de prova, Flavio Abrusio. Resultado final da Seletiva de Kart Petrobras: 1 Guilherme de Conto (PR), 32 pontos; 2 Rafael Suzuki (SP), 30; 3 Clemente Faria Jr. (MG), 25; 4 Mario Romancini (SP), 24; 5 Caio Zanani (DF), 23; 6 Claudio Cantelli (PR), Dennis Dirani (SP) e Lucas Finger (SP), 14; 9 Lucas Rodrigues (RS), 12; 10 Sérgio Jimenez (SP), 11; 11 Vinicius Quadros (RS), 10; 12 Fernando Cevallos (EQU), 8